amor-e-furiawed

Uma História de Amor e Fúria

PS -Para quem não viu ou não conhece o filme, aqui fica o link. Só compartilho o que está disponível na net.Direitos autorais, falem com quem disponibilizou o filme na net. É um bom filme e um ótimo resumo da história do Brasil.

lxsust

…é pra velar o defunto?

Oi, meus queridos! Escrever aqui um pouco só pra desanuviar. Tenho uns dias de descanso, que aproveito para escrever mais umas baboseiras.

Novidades da terrinha? O PIB? A balança comercial? O déficit? A dívida? Dizem que estava tudo a melhorar, mas depois vem um católico qualquer dizer que afinal está tudo é a piorar.

E os Socialistas? Já até dão música nos autocarros? Lisboa virou uma mina, e o “gajo” vai dar tudo para não perder as eleições da prefeitura no próximo ano.

Mas isso não interessa para nada…e a Pensão Amor? Que é feito dela? Colocaram lá a cobra – monumento em homenagem ao Zé – e nunca mais se ouviu falar de tal bordel de “meninas” finas. Que se passa ou que se passou?

Primeiro foi aquela estória, no ano passado,  dos seguranças do Zé. Esta aqui. Agora foi a estória da “zuca” corrida a pontapé desse bordel.  Tiveram azar que esta não era uma “zuca” qualquer. É ou foi repórter da Globo. Uma tal de Carol Luck. É só colocarem no google “Carol Luck agressão” que aparece o depoimento da moça na primeira pessoa.

Eu daqui só ouvia falar do ”Websummit”, da “Pink street” e da Pensão Amor nada? O que se passou que vocês não me querem contar? O Lux a “bombar”, até já voltaram a falar do Pavilhão Chinês…

Não entendi? Se é pra velar o defunto? Se ainda vai ressuscitar? Isto da globalização é muito bonito, mas quando a mídia não quer, não se sabe.

Era só isso.

Ah, a foto não tem nada a ver com o tema. Serviu só para ilustrar o artigo, demonstrar a minha arte e que a luta continua🙂

Um abraço forte do tio…

Café Society

cafe-society

Acabei agora de assistir ao filme – Café Society. Penso que ainda não estreou em Portugal, pelo que googlei teve estreia antecipada aqui no Brasil.

Um mimo!

Não sou fã de Woody Allen, embora tenha visto e gostado de diversos filmes dele. Principalmente os mais recentes. Cassandra’s Dream, por exemplo, é excelente.

Este Café Society é um filme curto – hora e meia de filme –, mas delicioso. Cheio de clichês que nos fazem repensar a vida.

Tentando não vos estragar o filme, faço um brevíssimo resumo de uma parte deste para entenderem as conclusões a que cheguei.

O bar – Café Society – é de um gângster que, no decorrer da história, coloca o seu irmão como gerente, ou proprietário também. Vi o filme em inglês (sem legendas) e por vezes escapam-me alguns pormenores.

O Ministério Público descobre que o gângster é gângster, investiga-o, é julgado e por fim condenado à pena de morte por cadeira elétrica.

Depois deste episódio, e a dez minutos do fim do filme, a voz-off faz um relato que iluminou as minhas ideias.

O fato de se tornar público que o proprietário do Café Society era um gângster não prejudicou em nada o funcionamento do bar. Bem pelo contrário, deu, conforme nos informa a voz-off, mais carisma ao espaço, e o irmão não-gângster continuou gerindo o bar, agora com mais sucesso.

Um dos donos da Pensão Amor, no Cais do Sodré, ser réu do caso BPN é também o que dá carisma ao espaço. O glamour do espaço deve-se ao cheiro a vigarice e corrupção por todos os cantos.

O que torna atrativa a Lx Factory é o fato de ser um ativo tóxico do BPN. O fetichismo, no sentido de adorar o imoral e ilegal, é a atração. Sabendo-se de toda a corrupção associada ao espaço, poder estar ali, faz de quem lá está, naquele instante, um Jeremias – Fora da Lei.

É uma teoria facilmente comprovada com os títulos dos espetáculos do próximo festival “The Famous Fest” (e qual a bebida preferida de um gângster?), já no final deste mês na Lx Factory. Ora vejam os títulos:

– “Fado Fora da Lei”;

– “Cautela com Eles”;

– “Casamento Arranjado”.

Achei interessante. Um ponto de vista que nunca me tinha ocorrido.

Jorge Palma –  Jeremias O fora da Lei

 

2ª Carta Aberta ao José Sócrates

Caro senhor José Sócrates,

Li agora o artigo que vossa senhoria escreveu hoje no jornal Diário de Notícias, veículo de informação este presidido pelo seu amigo e advogado Proença de Carvalho – ex-policial e ex-procurador do Ministério Público português.

Nesse artigo, vossa senhoria escreve sobre abuso de poder, o que me suscitou algumas dúvidas que gostaria, se possível, ver esclarecidas por vossa senhoria.

Como é do seu conhecimento, o abuso de poder é género que se desdobra em duas categorias: excesso de poder e desvio de poder.

Os crimes que lhe são imputados, e pelos quais já esteve preso durante um ano, enquadram-se nesta última categoria – desvio de poder – que, como também é do seu conhecimento, consiste na prática de um ato que viola e é contrário à finalidade da atuação. Além do mais, o abuso de poder na categoria desvio de poder foi praticado por vossa senhoria na forma ampla, porquanto o desvio de recursos públicos de que é acusado ofendeu-nos a todos, isto é, ofendeu o interesse público.

No seu caso é ainda acusado de ter praticado abuso de poder de forma comissiva, já no caso do seu sucessor de partido político, que ainda de nada é acusado, o abuso foi, e tem sido, praticado de forma omissiva. Ou seja, a forma de abuso de poder deve-se à sistemática inércia perante atos que, com o conhecimento e conivência deste, ofendem o interesse público.

Por estes motivos, gostaria, se possível, que completasse o seu artigo, informando-nos em que categoria e formas se enquadra o abuso de poder que vossa senhoria acusa o senhor juiz Carlos Alexandre de ter praticado.

Aguardo sua resposta.

Antecipadamente grato,

Miguel emigrante

O Lucro

Por motivos pessoais, decidi escrever aqui um texto por dia durante este mês de setembro. Por diversos motivos, decido interromper as postagens diárias prometidas.

Eu explico: o motivo principal que me levou a escrever um artigo por dia foi a necessidade de praticar a minha escrita. Aprendi que para se aprender a escrever é necessário escrever, muito. Quem lê muito, aprende a ler bem. Quem escreve muito, aprende a escrever bem. E para quem tem alguma vergonha na cara, nada melhor que um Blog para praticar e expor a nossa escrita. Em um Blog mal-amado, como o nosso, melhor ainda.

Para quem só associa dinheiro à palavra lucro poderá parecer estranho o motivo principal desta minha motivação. Para esses informo que existem outros sistemas de troca, outros gêneros de economias que não necessariamente envolvam troca de dinheiro, onde todos, de uma forma ou outra, lucram.

Durante estes primeiros dias, as visualizações voltaram a crescer e o posição do Blog nas pesquisas do Google já começa a dar sinais de melhora.

Acontece que parei para pensar e cheguei à conclusão que não é bom nem para o leitor nem para mim dispersar-me do tema central deste Blog. Como necessito mesmo de praticar a minha escrita, decidi então abrir outro Blog, onde vou acabar de cumprir a promessa que aqui fiz, sem a necessidade de escrever todos os dias sobre o mesmo assunto.

Quando as novidades aparecerem, ou quando me lembrar de algo que seja relevante escrever aqui, eu volto.

Vemo-nos por aí.

Até já!

A Bolha

Boa tarde!

Conforme o caro leitor foi lendo nos artigos anteriores, deste mês de setembro, explicamos como empresas são criada para “tapar buracos” de dívidas de empresas existentes e como novos empréstimos são feitos para pagar juros e dívidas de créditos anteriormente contraídos.

Assim o Mundo “pula e avança”. Políticos, tanto à esquerda quanto à direita, tapam respectivamente o olho esquerdo e direito, porque os “mercados” estão “animados”. Se a situação é insustentável, isso pouco importa. Interessa é o fator multiplicador.
O dinheiro está “nas ruas”. O povo feliz com comida na mesa, e o rico mais feliz ainda com o seu banquete. Só fartura, para uns poucos, e muitas farturas para todos os outros.

A “bolha” vai inchando e é mais que certo que um dia rebenta.

Como rebentou. Foram estilhaços para todos os lados. Bancos falidos, empresas insolventes, desemprego, emigração. Sobrou para todos. Ou para quase todos. É impressionante como o Zé se vai aguentando. Todos os seus amigos são réus por diversos motivos, mas todos relacionados à “bolha”. E o nosso amigo Zé lá continua, assobiando para os lados.

Quando a situação é insustentável, e a injustiça perdura, como nos mercados, a “bolha” rebenta também para a pessoa humana. Foi o que se passou com a nossa pessoa.

Quem foi acompanhando o nosso blog sabe que estes dois “caras de pau” vieram chamar-me de arguido e sem qualquer vergonha na cara recorreram até ao Supremo Tribunal para…passarem vergonha.

Uma coisa é propor uma ação a ser julgada por um juizeco de 1º instância. Agora recorrer ao Supremo? Vocês já repararam nos nomes dos juízes do Supremo Tribunal de Justiça? É preciso ser mesmo muito cara de pau, e nem vou falar na quantidade de mentiras pegadas que enviaram para os senhores juízes lerem. Chegaram a colocar-me dentro da Pensão Amor! Nunca lá estive! Nem quando era um prédio em ruínas, nem quando por alma e graça do “Espírito Santo” se transformou numa boîte da tiazada.

Perderam a ação, sentença, acordão, transitado em julgado, mas a “bolha” rebentou.

A “bolha” rebentou, mas depois das desventuras da Lx Factory aprendi que com estes artistas não vale a pena perder a serenidade.

Tranquilo, enviei a seguinte carta ao Zé.

Comeu e calou.

Até amanhã.

“Oi breguinha

Para que não haja dúvidas e possas acrescentar ao tal de ?inquérito?, segue o que o ressabiado pensa de ti e da tua raça:

És um VIGARISTA, vendedor da banha da cobra. CORRUPTO da pior espécie. E se Portugal chegou ao estado (sem governo) a que chegou foi por culpa de ?gentalha? como tu.

Não te posso chamar de criminoso, pois AINDA não foste condenado. Mas chamo-te de CRIMINOSO como chamaria a qualquer pessoa que visse a matar outra pessoa na rua. Independentemente de ter sido ou não condenada.

Por fim, tenho a plena convicção que és um PSICOPATA. Não sendo considerado doença, pois não tem cura, és uma completa ABERRAÇÃO DA NATUREZA. O que torna a ?coisa? muito grave.

Acredita que o que acima escrevo não é nenhuma carta de expressão da minha raiva. É uma carta que estou a escrever tranquilamente a um ?ser? que deveria estar preso e em minha opinião (porque sou eu que estou a escrever) internado.

Ah, e para não te chamar GATUNO de vão de escada. Foi escada, foram andaimes. És…RIDÍCULO. E só não tenho pena de ti porque és pior que VAGABUNDO. Tu nem alma tens, moço.

Ganha noção e lucidez por um instante, e…

Interna-te,

Miguel

P.S. Agora tens o meu endereço, para onde podes enviar todos os inquéritos que essa tua cabeça se lembrar de inventar.”

Carta Zé

Não me lembro da data da carta, mas faz mais de um ano que a enviei. Com o meu endereço e assinada com meu nome completo, que só não transcrevo aqui na “net” por motivos óbvios.

 

We Are One

https://www.sofaconcerts.org/

Lyrics:

Say what you want
As long as you believe
And respect them rules
Of his Majesty
Cause I was born
For a purpose in life
Sometimes we don’t see
‘cause it’s cloudy outside

When the sun don’t shine
Then we make the heat
Love, rum and a beat
I love I love it I love it yeah

We are one one one
The sooner the better
One one one
United forever

Say what you want
But I don’t believe
Or respect your rules
And your dynasty
‘cause I was born
For a purpose in life
No cold hearted soul
Can cover my light